Via Yogananda Brasil, 12/01/2016

Durante uma semana eu tive a visão da imagem de um homem com cabelos longos mas que nunca havia visto antes. No sétimo dia encontrei uma amiga e contei à ela sobre a visão que vinha me acompanhando, ela, sem dizer uma só palavra, se levantou, saiu e voltou com o livro A Eterna Busca do Homem, que tem a foto de Guruji na capa. Quando olhei para o livro tive a sensação de que q meu cérebro se abriu e minha respiração ficou acelerada por alguns momentos, foi inesquecível. A minha amiga me olhou e disse: vc acabou de encontrar teu mestre.
Jay Guru

Alexandra Biazus

qdo encontrei minha mestre ela indicou leitura do Autobiografia de um Yogue. Disse tbem, q mais vale ler UM livro bom, à 50 ruins…o curioso, foi q, ao começar a ler, não conseguia mais parar. Literalmente devorava o livro…mtas coisas curiosas aconteciam, passagens, imagens, q “estavam lá, guardadas na memória” apareciam nítidas como se estivessem à frente dos meus olhos. Entretanto, ao começar a ler determinado cap do livro, lia 2,3, ou mais pgnas, e era acometida de mto mto sono, e no dia seguinte, não lembrava de absolutamente nada q havia lido até as pgnas marcadas daquele cap. Insisti por alguns dias, mas tudo se repetia. Resolvi deixar de lado sobre a cabeçeira da cama. Passados uns 20 dias, e neste período, vi sobre balcão na sala onde dava aulas, um livro q chamou minha atenção, era de uma amiga/aluna/dona daquele espaço, academia de balé, o livro: Violetas na janela (livro espírita, q aborda o tema da morte). Ela fez questão q eu levasse e lesse. Foi o q fiz. Passados 2 dias disto, voltei a pegar Autobiografia, e naquela noite, li o cap inteiro….aos prantos. Chovara, mto. É a passagem em q conta da partida do Meste Amado, Sri Yukteswar . Por vários dias, sempre q lembrava, chorava… mto. Era incontrolável. Nãao sou de manter posse de nenhum livro, acredito q feita a leitura, devemos passar adiante, para q mais pessoas possam tbem aproveitar do conhecimento q os livros carregam consigo, mas este, é um, de 2 livros q ainda guardo.
Uma obs: o q sei de Yoga, e qdo começei não havia material disponível como há hj, aprendi lendo livros, por conta própria. Aos poucos, tudo foi chegando a mim. Agradeço à providência Divina, q sempre trás a nós, aquilo q necessitamos, no momento certo. ___/\___ Namastê!

Marilani de Oliveira

Via Yogananda Brasil, 05/01/2016

Conheci em 2010 numa livraria em São Paulo através do Livro A Eterna Busca do Homem… Eu estava me sentindo vazia, passando por um problema de saúde e vivendo uma perda, através das palavras de amor do Mestre eu comecei a minha jornada.

Cyntya Aytnyc

Após questionamentos existenciais durante minha vida toda, um dia há muitos anos caiu em minhas mãos a Autobiografia de um Yogue. Este livro mudou a minha vida, me fez sentir que tudo o que eu sempre busquei realmente existia, e que um dia eu iria pisar no solo sagrado da mãe Índia. Yogananda abriu meus horizontes para a sabedoria da Índia e para o Yoga. Foi o primeiro passo para a cura da minha alma. <3 #comoconheciyogananda

Caprice Jacewicz

#comoconheciyogananda
Através do programa de culinária da Bela Gil. Ela comentou sobre o livro a Autobiografia de um Yogue.
Agradeço muito por descoberto o mestre Yogananda!!

Paula Dometh Ribeiro

#comoconheciyogananda
Fundamos o Portal Pensar, um canal voltado ao estudo e divulgação de podcasts sobre os grandes pensadores espiritualistas da humanidade, e então há um mês começei a estudar o Yogananda, para gravar uma série de podcasts sobre ele, devorei o “autobiografia…” e o “ciência da religião”, e já estou devorando a “yoga de Jesus” e não vou parar jamais. Fui tb na SRF Rio e já o tenho como roteiro e mestre de minha vida. Encantadíssimo com esse missionário enviado por Deus para auxiliar a humanidade em seu despertamento espiritual. Em breve gravaremos e divulgaremos uma série de podcasts sobre a nossa impressão da vida desse grande benfeitor da humanidade. Que Deus nos ajude!

Rafael Van-Erven Ludolf

Conheci meu Mestre Eterno através de amigos. Li a autobiografia e me apaixonei. Estava com viagem marcada para Índia e precisei desmarcar por problemas de saúde de meu pai. Numa madrugada de inverno enquanto dormia no sofá (ficava alerta à noite enquanto meu pai dormia) fui despertada e quando olhei para o lado tive uma visão; Ele estava ali sorrindo, coberto por seu manto amarelo. O ano passou, meu pai partiu e então pude ir para Índia. Próximo da data da viagem tive outra visão; um Haraty de fogo oferecido pelo Mestre quando estava em meditação… Ele caminhava ao meu redor.. via seus pés andando em volta de mim e o incenso queimando se espalhando no ar. Por fim cheguei até a Índia e as visões se repetiram em Duarahar, nos Himalaias quando choveu por 3 dias nos impossibilitando de subir até a caverna de Babagi. Eu estava irritada e fui dormir à tarde, fazia muito frio e chovia. No sonho Ele apareceu abriu a porta e ouvi meu companheiro de viagem anunciar; “olha Yogananda está aqui”.. via seu ombro e seu cabelo e seu rápido olhar à porta do quarto.. então uma porta bateu e eu acordei !! Foi um aviso.. acredito que Ele estivesse conosco só aguardando o tempo melhorar para subirmos a montanha até a caverna de Babaji.. Tive o prazer e a graça concedida de pisar em todos os lugares descritos no livro.. E a presença do Mestre se fez em cada lugar onde passei.. no quartinho em Ranchi, na árvore de Seranpore, no Ashran de Sri Yukteswar, na casa de amor Yogananda em Calcutá, na casa de Lariri Marashai em Varanasi.. Minha vida mudou da água para o vinho! Jai Guru Meu Eterno Mestre

Izabor Oliviera Oliviera

#‎comoconheciyogananda
Era uma tarde tranquila na cidade de Belém. Eu me sentia misteriosamente alegre e serena, apesar de estar na companhia das minhas três agitadas filhinhas. Entramos em uma livraria e eu me dirigi à seção de livros religiosos. Dentre os mais variados livros do gênero, meu olhar pairou sobre os do Mestre. Comprei três, sendo que o primeiro a ler foi “Paz Interior”. Fiquei tao encantada com aquelas palavras que fui pequisar sobre a vida daquela alma que me cativou instantaneamente. Descobri que tinha escrito uma autobiografia e me apressei em adquiri-la. No curso da leitura solicitei as lições da Self Realization Fellowship. E foi assim que, nesta vida, eu reencontrei o meu Guru. Parabéns Mestre, pela obra que deixaste, para toda eternidade.

Lani Lopes

Estudando em Campo Grande , onde fiz o curso de Ayurveda, tive conhecimento de Paramahansa Yogananda através de meus professores ! Uma médica hj amiga e professora do curso me indicou as meditações do Guruji e eu já meditava à época! Um outro professor do curso indicou em sala o livro Autobiografia de um Iogue que li muito atentamente e me deliciei com a história do Gurudeva Yogananda! Passei então a sentir o chamado por seus ensinamentos e não demorou para que eu me inscrevesse na Self Realization para aprender as lições! Desde 2011 estou inscrita na SRF e o despertar mais forte aconteceu no ano passado quando me disciplinei fortemente nos estudos e nas práticas ! Amo Yogananda e os ensinamentos dele que nos conduzem para a realização Crística! Grata Senhor pela presença desse Mestre lindo e do legado que nos deixou! Seu amor nos une ao Pai! Paramahansa que a Sua Sagrada Presença Espiritual continue a nos apoiar a caminhada para Deus , através do Cristo! Te amo Gurudeva!!!

Kelly Cristina

Em março próximo vou fazer 60 anos. Li a sua autobiografia com 18 anos, mais ou menos. Já reli 2 vezes e vou ler novamente outras tantas. Já indiquei o livro para dezenas de pessoas. Bom, o que eu achei do livro. O Yogananda veio com a missão de integrar o Oriente com o Ocidente. Para o Ocidente seu legado foi fazer com que as pessoas “parassem” para se perceberem. Levou para o Oriente o pragmatismo ocidental. O resultado é que hoje, as pessoas que estão sintonizadas com a sua busca espiritual conseguem fazê-lo com mais propriedade, com mais discernimento, com menos dogmas, com menos fantasias. Um grande missionário que cumpriu a sua missão de forma esplendida e, ainda por cima, potencializou a figura e a importância de Cristo como poucos.

Rubens Costa

#‎comoconheciyogananda
Eu ia passar uma semana em Brasília para realizar um trabalho dificílimo sob forte pressão em um ambiente com pessoas dominadas por Maya. Pedi sinceramente que Deus me desse um suporte. Fui à livraria Saraiva e comprei a Yoga do Baghavad Gita. Jai Guru!

Patricia Helena

#‎comoconheciyogananda
Através da semana de exibição nos cinemas em Campinas. Eu e meu irmão Matheus Leme queríamos aprender mais sobre como ele se elevou espiritualmente, convivendo numa sociedade materialista como a nossa, seus ensinamentos etc… Minhamãe Madalena Leme se interessou muito e foi conosco.
Foi uma experiência maravilhosa! Quero conhecer mais sobre a trajetória e ensinamentos do Yogananda!

Jéssica Leme

#‎comoconheciyogananda
Há um tempo entrei numa loja de livros e havia um livro que ficava me olhando. Achei aquilo estranho, logo em seguida ganhei esse livro. Ele realmente me escolheu e tocou profundamente meu coração e alma e até hoje está presente na minha vida me guiando. Algo mudou dentro de mim depois que o li.

Davidson Lopes

#‎comoconheciyogananda
Era um adolescente no final dos anos 70 quando despertou meu interesse pela literatura esotérica e assuntos afins. Foi quando começaram meus encontros casuais com aquele livro de capa laranja em várias livrarias. Embora me chamasse à atenção, naquele tempo Yoga não fazia parte de meus interesses: – “Isso deve ser coisa de faquir ou contorcionista!” pensava.
Muito depois, quando tinha 27 anos, ouvi comentários sobre certo livro maravilhoso, “A Autobiografia de um Iogue”. Fiquei muito intrigado quando me deparei novamente com aquele livro, do qual havia me desviado várias vezes.
A leitura foi realmente marcante, provocou mudanças em minhas certezas, passei a considerar possibilidades que até então não faziam parte da minha visão da realidade. O livro foi tão importante, que o dei de presente várias vezes. Errei apenas em nutrir expectativas sobre esse ato. Seria melhor se simplesmente tivesse dado e esquecido o fato, pois é questão de foro íntimo cada pessoa decidir como deseja ver o mundo e estabelecer a suas fronteiras entre o possível e a fantasia e sobre o que acredita que somos ou podemos vir a ser.
Para mim é uma imensa alegria ver a história de Yogananda cada vez mais reconhecida. Nos últimos 20 anos repeti a leitura várias vezes, e cada releitura foi uma viagem diferente onde pude entrar novamente em sintonia com aquela energia e reafirmar p/ mim mesmo uma visão nada ordinária da vida! Yoga abarca tudo.

Ademilson Oliveira

#‎comoconheciyogananda Gostar da Índia e de sua cultura sempre foi uma constante em minha vida. Desde a adolescência via os monges nas ruas no interior de São Paulo e comecei a ler sobre Krishna, sobre a trindade hindu e seus símbolos. O livro Autobiografia de um Yogue surgiu para mim nessa época, mas ainda não era o tempo certo. Anos mais tarde, um amigo no trabalho, no meio do nada me fala de Yogananda e um livro raro seu e, confesso que estranhei na época. Hoje entendo que foi uma forma de me despertar. Mas ainda esta alma não estava pronta. A semente, porém, estava aqui latente. Continuei minha busca por conhecimento espiritual e há dois anos apareceu nas minhas mãos A yoga de Jesus. Aquelas comparações e explicações doces de Yogananda foram me enchendo de alegria e tudo foi fazendo sentido, como se fosse costurado por mãos delicadas e perfumadas. E todas as inquietações encontraram a síntese cósmica que eu esperava encontrar. Mas antes tive que trilhar um caminho solitário para chegar ali. Sinto Yogananda acompanhando meu caminhar, conversando comigo, enquanto leio e medito. Sinto que entre todos no mundo, ele reserva um carinho especial por mim, por cada um de nós, que não se detém por qualquer tropeço no caminho. Ele é zeloso e carinhosamente nos orienta, sussurrando aos nossos corações a arte da devoção e do amor. Ah, a devoção! Só agora começo a entender! Cada trecho que leio hoje de Autobiografia de um Yogue é uma lição amorosa, que parece ter um ensinamento silencioso para mim, para cada um que o lê. É como se ele, quando esteve na terceira dimensão tivesse podido nos ver a todos no futuro e nos amar, sabendo que um dia estaríamos aqui também. Hoje li o capítulo sobre sua primeira escola aberta em Ranchi, na Índia e me senti sendo chamada de novo! “Banat, banat, ban jai!” (Fazendo, fazendo, algum dia feito!)

Elaine Costa